Deputados fazem homenagem ao trabalho de pesquisa e inovação do IDR-Paraná
27/06/2022 - 16:30

O IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater) recebeu a homenagem pelos cinquenta anos de trabalho em pesquisa agropecuária no Paraná. A Alep (Assembleia Legislativa do Paraná) destinou o Grande Expediente desta segunda-feira, 27, para destacar o quanto a pesquisa e a inovação contribuíram para o desenvolvimento da agricultura paranaense e para melhoria na qualidade de vida no campo.


Para Natalino Avance de Souza, presidente do IDR-Paraná esta homenagem é um reconhecimento pelo excelente trabalho realizado pela pesquisa. “Foram anos de muito trabalho e grandes avanços no desenvolvimento de novas tecnologias, lançamento de cultivares e equipamentos com duas preocupações centrais— a prática de uma agricultura produtiva, ambientalmente sustentável e que dá retorno econômico aos agricultores e, também, a viabilização da pequena agricultura familiar, uma característica do meio rural paranaense”, sintetiza Souza.


O cinquentenário remete ao aniversário do antigo Iapar (Instituto Agronômico do Paraná, centro de pesquisas voltado à agropecuária fundado em 1972 e, a partir de dezembro de 2019, integrado ao IDR-Paraná por reforma administrativa que promoveu sua fusão com a Emater-PR, a Codapar (Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná) e o CPRA (Centro Paranaense de Referência em Agroecologia).


O Secretário Estadual da Agricultura e do Abastecimento participou da sessão e destacou a importância da pesquisa pública para a agropecuária paranaense. “A alta produtividade e a qualidade da agropecuária paranaense tem muito do suor dos agricultores e bastante do esforço de servidores que se deslocam do campo para o laboratório na missão de desenvolver cultivares e produtos que exijam menos esforço físico, tragam bons rendimentos financeiros e garantam a sustentabilidade para o Planeta”, disse. “Essa tarefa foi abraçada com entusiasmo pelos pesquisadores do antigo Iapar, que levaram o nome do instituto a vários cantos da Terra, e se perpetua agora, no IDR-Paraná, onde todos mostram que é possível fazer melhor aquilo que já era bom.”


Vania Moda Cirino, diretora de Pesquisa do IDR-Paraná, fez questão de destacar que a trajetória da pesquisa na agricultura do estado é marcada pelo pioneirismo.


O Estado foi um dos precursores em estudos sobre plantio direto no Brasil. Com abordagem em microbacias, pesquisadores do IDR-Paraná desenvolveram e adaptaram métodos de terraceamento e cultivo mínimo que possibilitaram recuperar milhares de hectares de solo cultivado e inspiraram projetos similares em outras regiões brasileiras e também na América Latina e na África.


Outro exemplo é o caso dos estudos que possibilitaram manejar o cancro cítrico e viabilizar a inserção do Paraná no mapa da produção nacional e internacional de frutas cítricas, relata a pesquisadora.


No melhoramento genético de plantas, destaca-se o desenvolvimento de cultivares de maçã apropriadas para cultivo em regiões de inverno ameno, hoje cultivadas em todos os Estados do Sul do Brasil, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. “Em 50 anos de atividades, a instituição registrou 220 cultivares no Ministério da Agricultura, das mais variadas culturas de interesse econômico”, enumera Vania Cirino.


Também é obra do IDR-Paraná a criação da primeira raça paranaense – e a primeira no Brasil desenvolvida em um centro estadual de pesquisa – de bovino para corte, o Purunã, obtido a partir de cruzamentos envolvendo animais puros das raças Aberdeen Angus, Canchim, Caracu e Charolês.


A diretora destaca ainda a atuação institucional na formação de novos pesquisadores e técnicos, por meio de um mestrado em agricultura conservacionista, mantido em parceria com a UEL (Universidade Estadual de Londrina). “Também conduzimos há 30 anos um programa de iniciação científica que já acolheu 1,8 mil estudantes de graduação”, ela conclui.


A homenagem da Alep foi iniciativa do deputado Tercílio Turini que destacou o salto que o Paraná deu em qualidade e produtividade no agronegócio a partir do desenvolvimento e utilização de tecnologias inovadoras. Colocando o país no patamar de um dos maiores produtores mundiais e fortalecendo o agronegócio como um os principais alicerces da nossa economia “Neste cenário de avanço científico um dos centros de pesquisa que conquistou os mais elevados índices de resultados positivos foi o Instituto Agronômico do Paraná, hoje IDR-Paraná” afirmou Turini.


Celebração — Na quinta-feira, 30, será realizado um evento em comemoração aos 50 anos da pesquisa pública voltada ao desenvolvimento da agropecuária. O evento será na sede do IDR-Paraná em Londrina e vai contar com lançamentos de cinco cultivares e dois livros.


Dessas, quatro são opções de cultivo no inverno — aveia branca IPR Andrômeda, cártamo IPR 211 e canola IPR 212 para a produção de grãos e renda e o nabo forrageiro IPR 210, prioritariamente destinado ao uso como planta de cobertura em estratégias de manejo conservacionista do solo. Também será lançada uma variedade de milho precoce, IPR 216, apropriada tanto para produzir grãos como para ensilagem da planta inteira.


Em meio século de atividades o IDR-Paraná ofereceu ao setor produtivo 220 cultivares para as mais diversas culturas de interesse econômico —feijão, trigo, café, milho, arroz, batata, forrageiras, frutas de clima temperado e tropical, mandioca e plantas para adubação verde e cobertura do solo.


“É uma média de quatro lançamentos por ano. Um trabalho que seguramente resultou em aumento na produtividade, melhoria de vida de agricultores e consumidores, diminuição de impactos ambientais e maior disponibilidade de alimentos a preços compatíveis com o nível de renda da população brasileira”, destaca a diretora de pesquisas Vania Cirino.


Dentre as mais de duas centenas de cultivares, IPR Uirapuru foi das que mais alcançaram repercussão. Lançada em 2000, manteve-se por muito tempo como a semente preferida por agricultores de quase todas as regiões produtoras de feijão preto no Brasil, até ser substituída, em 2017, pela cultivar IPR Urutau, igualmente bem recebida por produtores e consumidores.


Outro material de grande destaque é a aveia preta IAPAR 61 - Ibiporã, de 1993, a única cultivar de ciclo longo no mercado, que permite oito a nove ciclos de pastejo — contra apenas três a quatro dos outros materiais disponíveis. É cultivada nos estados do Sul do Brasil e cerrados de Goiás e Mato Grosso, tendo alcançado também Estados Unidos, Paraguai, Argentina, Uruguai e países da Europa.


Talvez a maior parte dos apreciadores de canjica — ou mugunzá, como também é chamada em várias regiões — nem saiba, mas quase a totalidade dessa brasileiríssima iguaria consumida no país provém da cultivar de milho branco IPR 127, lançada pelo IDR-Paraná em 2005 e ainda hoje praticamente a única neste mercado, sendo cultivada também em Goiás, Mato Grosso e São Paulo.


Também foram desenvolvidas pelo IDR-Paraná as duas cultivares de trigo-mourisco, ou sarraceno, mais plantadas no Paraná, IPR 91 Baili e IPR 92 Altar, lançadas no ano 2000.


A pesquisa do IDR-Paraná foi pioneira no desenvolvimento de cultivares de maçã para regiões de inverno ameno. IAPAR Eva e IAPAR Julieta são cultivadas nos Estados do Sul e em regiões produtoras de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e até da Bahia.


Destaque-se ainda o melhoramento genético de café. O IDR-Paraná foi o primeiro centro de pesquisas a reunir em uma só cultivar de arábica porte baixo, alta produtividade e resistência aos nematoides Meloidogyne paranaensis, Meloidogyne incognita e Meloidogyne exigua. Com esses atributos, IPR 100 é bastante procurada pelos cafeicultores do Paraná e também de São Paulo e Minas Gerais.


Por aliar elevada produtividade com resistência ao calor e à seca, IPR 103 é outra cultivar desenvolvida pelo IDR-Paraná que vem se ganhando espaço em Minas Gerais. Já a cultivar IPR 107 se sobressai pela alta resistência à ferrugem, maturação precoce, frutos grandes, facilidade de colheita e excelente qualidade de bebida.


Livros — Também está previsto na solenidade comemorativa o lançamento de dois livros, ambos abordando o tema plantas daninhas.


“Plantas daninhas em pastagens do Paraná”, do pesquisador Walter Miguel Kranz, apresenta o resultado de levantamento conduzido em 167 propriedades típicas de quatro grandes regiões — Primeiro e Segundo Planaltos, Terceiro Planalto, Arenito e Campos Nativos.


Escrito pelo pesquisador Francisco Skora Neto, a redução do uso de herbicidas para controlar plantas daninhas em plantio direto é a abordagem central do segundo livro — “Manejo sustentável de plantas daninhas: fundamentos para um sistema de plantio direto sem herbicida”, escrito pelo pesquisador Francisco Skora Neto.


Reportagem: Assessoria de Comunicação