Café

A cafeicultura paranaense é composta por aproximadamente 8 mil produtores rurais, sendo que 85% deles exploram a atividade em regime de agricultura familiar. A produção está hoje concentrada nas regiões do norte pioneiro, norte novo, centro-norte e noroeste do estado, sendo o norte pioneiro a região com maior número de unidades produtivas.

 A utilização de máquinas nas diversas etapas da produção entra como componente fundamental no processo produtivo, não só para suprir a falta de mão de obra, mas também e principalmente para aliviar o esforço físico dos agricultores e diminuir os custos de produção. Porém, a descapitalização ocasionada pelos preços baixos dos últimos anos, a pequena área média de café das propriedades e a falta de apoio têm dificultado o avanço da mecanização.

 A erradicação de áreas improdutivas, a renovação de talhões e a necessidade de adoção de tecnologia mecanizada são os principais fatores que motivaram a redução da área de café no Paraná, que conta hoje com 40.000 hectares, no entanto o café, conduzido com tecnologia, continua sendo uma ótima opção de renda para os agricultores familiares, bastando uma política pública mais favorável para continuidade das famílias no processo produtivo.

A produtividade média do estado está em constante ascensão. Atualmente está em 27 sacas beneficiadas por hectare, abaixo do ponto de equilíbrio e  abaixo do potencial produtivo.  A mão de obra está cada vez mais rara e cara, está com dificuldades de substituí-las por serem a grande maioria cafeicultores familiares descapitalizados.

 
Contextualização

O projeto, se fundamenta na importância socioeconômica da atividade para 33 municípios de 7 regiões cafeeiras do estado, que tem no café uma alternativa no processo de diversificação e geração de renda aos agricultores.
São assistidas 1.000 famílias com potencial e condições edafoclimáticas adequadas para obtenção de cafés com produtividade e qualidade.
Portanto há que se prever um trabalho respaldando o pequeno e médio produtor, na implantação de um sistema de produção, através do sistema de metodologia “Treino & Visita”, visando a sustentabilidade econômica, social e ambiental, que tem o café como o principal produto, ou como um componente do sistema produtivo.
Na realização desta proposta, o IDR Paraná, que é referência nacional e internacional em pesquisas no café, vem desenvolvendo tecnologias visando aumentar a rentabilidade e a sustentabilidade da cafeicultura. Estas tecnologias são  validadas nas unidades de referência e de validação e transferidas aos cafeicultores pela Extensão Rural, do próprio IDR Paraná, na metodologia Treino & Visita.

 
Objetivos

O projeto tem como objetivo principal a difusão de tecnologia visando ao final a sustentabilidade da atividade através da elevação da produtividade, redução dos custos de produção, manejo e conservação dos recursos naturais e da fertilidade do solo, além da melhoria contínua da qualidade, apresentando assim à sociedade um produto de alta qualidade e produzido de modo sustentável

 
Ações Prioritárias

As ações prioritárias do projeto consolida as propostas de diversificação agrícola, incremento nas economias locais, inclusão social e liberação de áreas da pequena propriedade rural do agricultor familiar para outras atividades produtivas, proporcionando mais ocupação e renda no campo. É um trabalho extensionista e de pesquisa continuado  para fortalecer a participação da família rural no desenvolvimento rural sustentável com interface com áreas de meio ambiente, mercado, agroindústria, organização, que em conjunto com demais entidades da cadeia produtiva como  Fetaep, Faep, Senar, Sebrae, cooperativas, associações, torrefadoras, cafeterias e empresas de máquinas e insumos, busca aumentar a competitividade do café paranaense nos mercados comprador e consumidor, graças aos avanços de qualidade.

A ação do IDR Paraná, está subsidiando o produtor familiar em aumentar a competitividade no mercado de cafés, graças aos avanços de qualidade, e ganhos na comercialização que começa a identificar as diferenças do produto, graças a parceria com integrantes da Cadeia Produtiva do Café

Como o projeto estabeleceu uma meta de 40 scas beneficidas por ha, tal resultado implicará em um acréscimo  superior a  45% da produtividade média estadual, com redução de custos de produção e consequentemente agregação de valor nas áreas assistidas. No entanto a produtividade média dos produtores assistidos, supera a média estadual em 10,8%  ligeiramente acima do ponto de equilíbrio que está em torno de 28.8 sacas beneficiadas por hectare, sendo que na microregião de Carlópolis as propriedades tecnificadas sequeiro, estão com produtividade média de 45 a 52 scs beneficiadas por hectare ano, todas em tecnologia safra Zero / 100, lavourada nota 1000. Demais regiões com nichos de produtividades semelhantes em tecnologia safra normal.

 
Abrangência

O projeto Café abrange 7 regiões cafeeiras, onde 1.000 produtores são assistidos e mais 3.000 cafeicultores familiares são atendidos, que corresponde a 50% do total de produtores existentes no Estado. Assessora 11 associações e mantém articulação direta com a Associação dos Cafeicultores do Norte Pioneiro do Paraná, que em conjunto com o Sebrae está fundamentando a participação no canal de comercialização, o mercado justo Fair Trade. Atua também na organização dos Territórios de Cidadania e Coordena a 18ª edição do Concurso Café Qualidade Paraná e edição especial dos melhores cafés.

Para contribuir na busca da qualidade do café, mantém atendimento e assessoramento aos cafeicultores de 11 Centros de Classificaão Física e degustação de Café existentes no Paraná, dos quais 10 são gerenciados pela Extensão e um pela pesquisa (Centro de Qualidade do Café, constituindo-se em uma ferramenta importante na melhoria das oportunidades de comercialização.
Os resultados em aumento da receita e ou redução de custos para beneficiário, da pequena propriedade, está causando impactos econômicos, sociais e ambientais favoráveis. Desta forma o café é uma alternativa de fundamental importância no processo de diversificação para o agricultor familiar.

 
Ações Desenvolvidas

A base do trabalho, está lá nos grupos municipais, e nas unidades familiares. Reuniões utilizando estratégias que estimulem a participação, envolver a família em atividades que exercitem o trabalho conjunto, fazer as visitas nas propriedades reforçando as informações técnicas. Dar uma assistência técnica de primeira qualidade para que aumente a produtividade e qualidade do café, análise do solo, correção e fertilização, podas programadas, manejo do mato, manejo integrado de pragas e doenças. Itens importantes no aumento da produtividade e qualidade.

São assistidos, monitorados e acompanhados diretamente 1.000 (hum mil) produtores de café e indiretamente 3000, em uma área de aproximadamente 12.000 hectares. Orientação técnica intensiva e continuada nas unidades de produção, unidades de referências, gestão econômica e financeira, articulação com parceiros para qualificar o serviço de assistência e melhoria da coordenação da cadeia produtiva

Um trabalho de resultado no projeto cafeicultura no Estado é o Projeto Mulheres do Café, desenvolvido por uma equipe multidisciplinar, um trabalho integrado entre técnicos da área agronômica e técnicos da área social. Este Projeto abrange 15 (quinze) municípios da região Norte Pioneira, envolve uma equipe 16 profissionais do IDR Paraná e assiste diretamente cerca de 300 cafeicultoras familiares. Trata-se de uma metodologia exclusiva, disciplinada e sistêmica, replicada em todos os grupos, com atividades grupais e individuais que tratam de conteúdos técnicos da cultura e do desenvolvimento pessoal das cafeicultoras.

Este projeto promove a cafeicultura do Norte Pioneiro que tornou-se referência na produção de cafés especiais pelas mãos das mulheres. Com as conquistas em concursos a região tornou-se visível aos olhos do mercado interno e de exportadoras. A safra 2018/2019 além do mercado interno, foram exportados cafés de mulheres para a Austrália e Japão com grande repercussão internacional. A safra 2019/2020 comercialmente está tomando proporções relevantes para as famílias cafeicultoras. O evento promovido pelo Emater/Projeto Mulheres do café chamado “CUP das Mulheres do Café” é uma vitrine dos melhores cafés produzidos por elas e eleva os cafés do Norte Pioneiro a um patamar equivalente aos melhores cafés de qualquer região do Brasil.

O desafio deste projeto é manter a assistência técnica às famílias atendidas e integrar aquelas mulheres que ainda não estão incluídas. Também, para os técnicos, manter-se informados e atualizados quanto tecnologias de produção e mercado de uma cultura tão dinâmica, que é o café.
 

O IDR Paraná participa de um trabalho em parceria com a Plataforma Global do Café (GCP), uma associação internacional com mais de 200 membros de todos os segmentos da cadeia produtiva do café com atuação em 9 países, que tem como principal objetivo tornar o setor cafeeiro sustentável, de forma a oferecer boas condições de vida para agricultores e trabalhadores e assegurar sua permanência na atividade, enquanto protege os recursos naturais.

A Plataforma Global do Café, Programa Brasil de Sustentabilidade, estimula e difunde práticas sustentáveis na cafeicultura, para que tanto os produtores como a cadeia como um todo tenham mais benefícios econômicos, sociais e ambientais. Utiliza como referência o Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC), documento baseado na Produção Integrada (PI-Café da EMBRAPA) e de elaboração coletiva por entidades de classe, institutos e organismos de certificação e serviços de extensão dos principais estados produtores de café do Brasil (EMATER-MG, INCAPER-ES, CATI-SP, EMATER-PR, EMATER-RO).

Para o acompanhamento das ações, os extensionistas utilizarão o Aplicativo do Currículo de Sustentabilidade do Café – CSC App, uma importante e inovadora ferramenta, que permitirá o monitoramento das ações executadas e dos indicadores de sustentabilidade, auxiliando na gestão do trabalho com os grupos de cafeicultores.

 
Equipe do Projeto

Extensão:

O projeto é executado por 34 técnicos em 33 municípios selecionados conforme critérios técnicos e de estrutura disponível nas regiões administrativas de Santo Antônio da Platina (13) – Cornélio Procópio (9) – Londrina (2) – Apucarana (3) – Maringá (3) – Toledo (1) – Ivaiporã (3).

Pesquisa:

O programa café do IDR Paraná conta com 12 pesquisadores das áreas de melhoramento genético, biotecnologia, fitopatologia, nematologia, entomologia, solos, ecofisiologia, agrometeorologia e bioquímica, além de dois parceiros da biotecnologia da Embrapa Café.

Coordenadores Estaduais do Projeto no Estado

Coordenador Estadual de Extensão Rural - Cilésio Abel Demoner
Coordenador Estadual de Pesquisa - Gustavo Hiroshi Sera